Família, Içami Tiba, Mães -

Indevida culpa materna (por Içami Tiba)

Feliz dia das mães; Içami Tiba; Integrare

 

Se eu pudesse aliviar o mundo de um sofrimento, seria o de remover as culpas indevidas que a maioria das mulheres carrega dentro de si, na função de mãe.

            Para qualquer problema comportamental apresentado por uma criança ou adolescente, ou até mesmo por alguns adultos, há uma mãe se responsabilizando por ele. Há, sem dúvida, responsabilidades de que as mães não podem se furtar na educação dos filhos, mas uma boa parte da culpa é devida à cultura da época e do local, e pode ser evitada.

            Hoje a grande culpa indevida é a que a maioria das mães pensa/sente que está “em falta” com os filhos quando trabalha fora. Essa culpa, que sabota a felicidade familiar, deve-se ao pensamento de que ela deveria se dedicar mais aos filhos.

            Algumas mães podem ter a opção de não trabalhar e permanecer mais tempo com os filhos. Mas estes não precisam delas o tempo todo e, se precisarem, é porque já existe uma dinâmica de comportamentos problemáticos: o sufocado produz e sustenta um folgado. Ou seja: embaixo de um sufocado (mãe) tem sempre um ou vários folgados (filhos e às vezes também outros adultos).

            Enquanto a mãe não resolver essa equação, ficará cada vez mais sufocada, e os filhos, cada vez mais folgados, malcriados e tiranos. Essa sufocada mãe vai achar que 24 horas por dia são insuficientes para atender a tantos folgados e... lá vem a culpa indevida!

            A sufocada vai se sufocando porque quer deixar todos os filhos satisfeitos somente quando aprenderem a cuidar de si e dos seus pertences e ajudar os conviventes necessitados. Essa prática entra em conflito com outro pensamento: é obrigação da mãe fazer sempre tudo e mais alguma coisa para os filhos.

            Quem foi que estabeleceu essa lei? Quem ensinou a mãe a ser sufocada? Vem da época do machismo, quando surgiu a figura da “boa mãe”, que todas as mulheres buscavam e buscam ser, cujo resultado final é perpetuar os filhos no folgado e inadequado machismo.

            A boa mãe ensina o filho a fazer o que é capaz e cobra. Cobrança, estabelecimento de limites, responsabilidade que gera liberdade, ética para ser bem tratada, mesmo estando ausente, perde quem não cuida do que tem, prazos existes para serem cumpridos, necessidades têm que ser satisfeitas e vontades, quando puder, são costumes que devem ser adotados em casa, para que a mãe tenha prazer e paz ao voltar para o “lar, doce lar”...

Içami Tiba


7 comentários

  • Lena

    Maria Eliete, as vezes o que ele está querendo é só passar mais tempo com você. Não leve simplesmente como chantagem. Ele deve estar realmente sentindo sua falta. Uma dica que daria pra você é: busque passar tempos de qualidade com ele, mesmo que seja pouco tempo. Por exemplo: marque dias pra vocês fazerem algo junto que ele goste, marque passeios inesperados. O horário que tiverem juntos, combina de ser sem celular, riam, demonstre bastante carinho, demonstre o quanto que ele é importante para você (ps.: não mimando, pra tentar suprir a culpa, mas como estratégia para entender que o seu trabalho não é melhor que ele, e assim ele aceite essa situação e não idealize horrores em cima dessa situação.).

  • raiana

    gostaria de saber o nome do livro que é citado no artigo.

  • Simone

    Sempre trabalhei e deixei muito meu filho sozinho ! Hoje colho a falta de comunicação e a falta de atitude dele perante a vida

  • Eloina Albarado

    Até hj acho que falhei como mãe , só por deixar meus filhos pequenos com estranhos , enquanto trabalhava . Mas deu tudo certo . Somos felizes .

  • Eloina Albarado

    Até hj acho que falhei como mãe , só por deixar meus filhos pequenos com estranhos , enquanto trabalhava . Mas deu tudo certo . Somos felizes .

Deixe um comentário

Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados